Dados apontam que perda no Cerrado é 50% maior que a da Amazônia

Dados apontam que perda no Cerrado é 50% maior que a da Amazônia

Divulgado pelo Ministério do Meio Ambiente, monitoramento do bioma revela redução de 9.483 km²

De acordo com matéria publicada pelo portal do jornal O Estado de S. Paulo, o Cerrado teve, em 2015, uma taxa de desmatamento 52% superior à taxa detectada na Amazônia. A perda foi de 9.483 km² – seis vezes a área da cidade de São Paulo – contra 6.207 km² na Amazônia no mesmo período.

Em 2009, quando o desmatamento no Cerrado atingiu 10.342 km², o governo estabeleceu a Política Nacional de Mudança do Clima, que trouxe como uma de suas metas o desmatamento no Cerrado com 9.421 km² até 2020 – mesma política que estima que a perda da Amazônia tem de ser 3.925 km². Dessa forma, o Ministério do Meio Ambiente considerou que o número de 2015 do Cerrado é positivo por indicar que estamos próximos de cumprir a meta prevista. Ambientalistas, no entanto, questionaram o posicionamento do Ministério e pontuaram que a meta considerou como aceitável uma perda anual de cerca de 1% dos remanescentes do bioma.

O levantamento também traz detalhes das perdas no período de 2013 a 2015, mostrando que as mais pronunciadas ocorreram na região de expansão da fronteira agrícola, conhecida como Matopiba – que engloba os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Apesar disso, por meio de nota, o Ministério do Meio Ambiente afirmou que “os dados não permitem estabelecer nenhuma relação entre a redução do desmatamento na Amazônia e a expansão agrícola no Cerrado” e informou que dará prosseguimento à implementação do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento e Queimadas no Cerrado (PPCerrado).

O dado, divulgado sem alarde no site do Ministério do Meio Ambiente, é o primeiro do monitoramento do bioma, que começou a ser feito no ano passado. A ideia é que, assim como ocorre na Amazônia, a atualização seja anual.

Comentários

Compartilhe