ILPF: Criação de Ambientes Adequados à Pecuária e Crédito de Carbono

ILPF: Criação de Ambientes Adequados à Pecuária e Crédito de Carbono

ILPF ajuda a criar um ambiente agradável para o gado ao mesmo tempo em que proporciona benefícios econômicos

Estudo desenvolvido na Embrapa Pecuária Sudeste atestou que bovinos criados em sistemas integrados buscam menos os bebedouros do que aqueles criados nos sistemas tradicionais, expostos ao sol. Segundo os pesquisadores a redução seria de até 19%. O estudo foi conduzido como parte da dissertação de mestrado do médico veterinário Alessandro Giro (UFPA) e foi orientado pelo pesquisador Alexandre Rosetto Garcia. A metodologia utilizada foi a da observação visual, em que pesquisadores observaram o comportamento dos animais, mas se mantiveram longe o suficiente para evitar interferências.

Os resultados da pesquisa atestaram que 87% do gado exposto ao sol, durante o período da tarde, foi ao bebedouro, enquanto que esse número caiu para 63% para os animais criados em sistemas integrados, no mesmo período do dia. Além de otimizar a utilização de recursos, diminuindo a quantidade de água ingerida pelos animais, a utilização de sistemas integrados, como o ILPF, garante também um conforto térmico (reduzindo a temperatura ambiente em até 5°C) e um situação de maior bem-estar ao gado.

É interessante ressaltar os benefícios na produtividade gerados pela utilização do ILPF, que, ao fornecer sombra para os animais, impede a maior produção de cortisol, hormônio ligado ao estresse e gerador de consequências produtivas negativas, como a menor ingestão de alimentos pelo gado. O desconforto térmico também é responsável por afetar a qualidade reprodutiva do rebanho, dificultando a fecundação e o desenvolvimento do embrião.

Por fim, deve-se evidenciar os benefícios ambientais de sistemas integrados, que contribuem para diminuição da emissão de gases de efeito estufa (GEEs). Tal benefício está associado a uma discussão econômica recente: a precificação e a criação de mercados de carbono. Segundo o Ministério da Fazenda, um projeto propondo um sistema de precificação de gases poluentes deve ser finalizado até 2019. Dessa forma, o ILPF se tornaria ainda mais atrativo, já que, além de reduzir emissões de gases (e, portanto, ajudar na menor taxação), poderia gerar benefícios econômicos diretos pela hipotética venda de créditos de carbono.

Para saber mais sobre o estudo, acesse:

https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/36878348/gado-em-sistema-integrado-com-floresta-procura-menos-agua

Para saber mais sobre a discussão sobre mercados de carbono, acesse:

https://www1.folha.uol.com.br/seminariosfolha/2018/08/brasil-deve-adotar-precificacao-de-carbono-em-2020.shtml

https://www1.folha.uol.com.br/seminariosfolha/2018/08/mercados-ambientais-incentivam-o-uso-mais-racional-de-recursos.shtml

Comentários

Compartilhe