Cadastro Rural: Preservação e Vazios

Cadastro Rural: Preservação e Vazios

Dados do Cadastro Rural estimam que 25% do território é preservado pelo agronegócio, mas pesquisa alternativa indica a existência de uma quantidade considerável de áreas ainda não cadastradas

A partir do Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural, pesquisadores mapearam as regiões do Brasil e constataram que agentes do agronegócio (agricultores, pecuaristas, silvicultores e extrativistas) são responsáveis por preservar, aproximadamente, 25% do território brasileiro. Essas áreas são constituídas por regiões de vegetação nativa. Segundo a Embrapa, se a área preservada fosse explorada, por exemplo, para a produção de milho, a receita estimada seria de R$6 bilhões. Esse valor é apenas uma medida da contribuição financeira do agronegócio para a preservação de vegetação nativa, não representando um estímulo ao desmatamento. O mapeamento realizado pela Embrapa pode ser considerado pioneiro, pois quantifica a área preservada pelo agronegócio e os recursos reservados à preservação ambiental.

O Sistema Nacional de Cadastro Ambiental (SiCAR) é a base de dados que agrega os registros públicos obrigatórios de todos os imóveis rurais, que identificam, dentro de cada propriedade, as áreas de preservação permanente, as de uso restrito, as reservas legais, remanescentes de floresta e outras áreas de vegetação nativa. O cadastro permite ao governo elaborar medidas mais eficazes no combate ao desmatamento ilegal e no planejamento ambiental através da monitoração por imagens de satélite. Até janeiro de 2018, 4,8 milhões de produtores haviam se cadastrado no sistema, representado 94% dos imóveis registrados no Censo Agropecuário de 2006.

É importante ressaltar, porém, que um estudo desenvolvido pela IMAFLORA, GeoLab (ESALQ-USP), Lagesa (UFMG), Royal Institute of Technology e Observatório do Código Florestal contesta a metodologia adotada para o cálculo da porcentagem de imóveis rurais registrados. O estudo utilizou uma metodologia diferente da adotada pelo Serviço Florestal Brasileiro, fundamentando-se em uma abordagem geográfica e espacial com bases cartográficas. Dessa forma, o estudo identificou que 36% de toda a área cadastrável de imóveis rurais ainda não consta no SiCAR. Isso implica que uma área considerável de vegetação nativa ainda encontra-se muito vulnerável ao desmatamento ilegal.

Para saber mais, acesse: https://canalrural.uol.com.br/noticias/agronegocio-preserva-25-do-territorio-brasileiro-diz-embrapa/

http://imaflora.blogspot.com/search?updated-max=2018-08-30T05:32:00-07:00&max-results=1&start=13&by-date=false

Comentários

Compartilhe